Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Upside Down

Um blogue de uma futura (e esperançosa) jornalista, que vê na escrita um refúgio para os bens e para os males da vida.

Upside Down

Um blogue de uma futura (e esperançosa) jornalista, que vê na escrita um refúgio para os bens e para os males da vida.

Coimbra é uma lição de sonho e tradição...

Sempre sonhei estudar em Coimbra, mais propriamente na Faculdade de Letras, onde atualmente estudo. Sempre sonhei trajar, ser uma das tantas capas negras que via quando visitava a cidade. Soube, desde muito cedo, que Coimbra tinha alguma coisa de especial, aquela saudade de que falam as letras dos Fados da cidade, aquela paixão, aquelas lágrimas. No entanto, nunca percebi realmente o que isso significava até à noite da Serenata da Queima das Fitas, a minha primeira Serenata trajada. 

No momento em que me traçaram a capa e me fizeram chorar, enquanto ouvia os maravilhosos Fados de Coimbra, e à medida que ia sentindo a necessidade de dizer algumas coisas a determinadas pessoas, percebi que Coimbra é muito mais do que uma bela cidade - é, sobretudo, amizade, saudade, companheirismo e lágrimas (muitas lágrimas). E senti tudo isso na pele.

Entendi, na minha primeira Queima das Fitas, que em Coimbra se aprende realmente a dizer saudade. Saudade das primeiras semanas a viver sozinha numa cidade completamente "nova" para mim, saudade dos amigos que ficaram para trás e seguiram caminhos diferentes, saudade dos familiares que já cá não estão para me ver, saudade de uma infância que já lá vai mas ainda está tão presente, saudade de casa, saudade da comida da mãe e do conforto de um lar. Mas, sobretudo, saudade da minha Faculdade, dos Arcos do Jardim, das pedras da calçada, da Praça da República, do 5 (o meu companheiro eterno). Saudade do cheiro de Coimbra e das amizades que lá fiz. Porque lá o céu é diferente, tudo tem outro brilho, outra cor. Porque lá somos apenas pessoas diferentes, com histórias de vida distintas, que se encontram e se unem pois apenas nos temos uns aos outros, numa cidade que, no início, parece tão grande e tão imensa. 

Sei que muito mais me espera e acredito que ainda estão para vir coisas muito positivas e talvez ainda melhores do que aquelas que já vivi nesta cidade maravilhosa. Mas também sei que Coimbra já me trouxe pessoas maravilhosas, amigas para a vida, uma família que pude escolher e com a qual choro porque a saudade já aperta mesmo muito antes da despedida. Coimbra fez-me crescer, aprender a desenrascar-me sozinha e a desfrutar de coisas tão simples mas com tanto significado.

Capa negra significa saudade, não só do que é de Coimbra e do que lá conhecemos, mas também do que ficou para trás. E eu sinto essa saudade a toda a hora, principalmente desde que tive a honra de vestir o traje pela primeira vez, porque é aí que nos sentimos verdadeiramente filhos desta cidade. 

Se em menos de um ano já me fizeste tão feliz, o que farás de mim até ao fim do curso, Coimbra?