Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Upside Down

Um blogue de uma futura (e esperançosa) jornalista, que vê na escrita um refúgio para os bens e para os males da vida.

Upside Down

Um blogue de uma futura (e esperançosa) jornalista, que vê na escrita um refúgio para os bens e para os males da vida.

TAG: My life shuffle song

Boas caros leitores! Hoje estive a ver uma tag super engraçada no YouTube e, também, em alguns blogues e achei que, mesmo não tendo sido nomeada para a fazer, deveria fazê-la aqui no blogue - nem que seja por achar que é interessante. 

Basicamente, esta tag consiste em colocar a playlist das nossas músicas preferidas (ou aquela que ouvimos mais vezes) em modo shuffle (aleatório) e, para cada um dos "tópicos", clicar em "seguinte" para ver que música nos calha. É muito mais fácil de perceber quando estiver tudo feito, prometo!

Aviso desde já que tenho algumas músicas bastante duvidosas na minha lista de starred do Spotify (não se assustem) e não vou fazer qualquer tipo de batota, posso garantir-vos. Vamos lá então começar!

 

1. A música que descreve como vou morrer: Wherever you will go - The Calling

 

Confesso que adoro esta música e que, além de me deprimir imenso, me faz lembrar alguns momentos menos bons da minha vida e de outros melhores dos quais sinto imensa falta. Não sei de que forma isto poderá descrever a forma como vou morrer, mas surge-me talvez a ideia de que poderia morrer à espera de alguém, a seguir o caminho de alguém que não está a seguir, de todo, a minha direção. Quem sabe, não é? 

 

2. A música que descreve a minha vida amorosa: Please forgive me - Bryan Adams

 

Confesso que me arrepiei um bocado ao calhar-me esta música, porque tem tudo a ver. Acho que não poderia ter calhado uma música mais acertada. Let's see the next song!

 

3. A música que vai tocar no dia do meu casamento: Angels - Robbie Williams

 

Esta música é tão mas tão linda que não me importava minimamente que tocasse no meu casamento. Até agora só me calharam músicas das quais gosto muito. 

 

 4. Adicionar "in my pants" no fim da música que calhar: Grenade - Bruno Mars

 

Ora, Grenade in my pants parece-me perigoso 

 

5. A música que vai tocar no meu funeral: Forever and always - Bullet For My Valentine

 

Uma das minhas músicas de eleição, que se adequa claramente a este quinto tópico, visto que uma das coisas que mais quero quando morrer é que as pessoas que amo esqueçam tudo o que de mau se passou entre mim e elas e que me recordem da melhor forma possível. Embora o sentido desta música seja claramente romântico, pode também adaptar-se a isto que disse.

 

6. Adicionar "with a shovel and a screwdriver" a esta música: Sexy Back - Justin Timberlake

 

Ora muito bem: Sexy Back with a shovel and a screwdriver sounds funny.

 

7. A música que descreve a minha semana: Voámos em contramão - Pedro Abrunhosa

 

Para ser sincera esta música não só descreve a minha semana como, também, os últimos dois meses da minha vida. Não pela letra propriamente dita, mas pelo título, visto que ultimamente tudo o que faço é voar em contramão em relação a tudo na minha vida, desde coisas a pessoas. 

 

8. A minha theme song: The A Team - Ed Sheeran

 

Na verdade nunca me tinha apercebido de que esta música tinha tanto a ver comigo como agora. Adoro Ed Sheeran e esta é uma das músicas dele que mais gosto, mas às vezes ouvimos algumas músicas sem prestar atenção ao seu significado e, agora que me calhou esta música, ouvi até ao fim com atenção e percebi que realmente tem muito a ver comigo, mais do que alguma vez pensei ter.

 

9. A música que tocará quando me lembrar de alguém que amo: Always - Bon Jovi

 

Bem, não vou fazer muitos comentários. Uma música que adoro e que fala por si.

 

10. A música que tocará quando sentir falta de alguém: Drowning - Backstreet Boys

 

Tinha de aparecer um dos meus guilty pleasures no último tópico! É verdade, os BSB são uma das minhas grandes paixões musicais desde pequena. Adoro esta música - por acaso é a minha preferida deles - e acho que se adequa bem ao tópico em questão. 

 

 

Bem, fica por aqui a tag, espero que tenham gostado. Não vou nomear ninguém, mas se alguém decidir fazer (mesmo que nem tenham um blogue e façam apenas para vocês mesmos) e quiser partilhar, pode fazê-lo deixando um comentário com as respostas ou, no caso de ter blogue, com o link da publicação da tag. Aguardo o vosso feedback! 

 

OPINIÃO: Pedro Abrunhosa - tudo o que ele nos dá

Hoje não vos venho falar de mim, ou daquilo que estou a sentir, nem de um assunto que me revolta. Hoje, guardei um bocadinho do meu tempo para vos falar de uma pessoa que eu admiro sem sequer conhecer e que me tem acompanhado durante toda a minha vida.

Venho falar-vos de Pedro Abrunhosa. Como todos sabem, é um cantor português de renome, que completou no ano passado 20 anos de carreira. Não vou começar aqui com biografias esquisitas, se querem biografias fazem favor de consultar o Wikipedia.

A razão pela qual venho falar dele relaciona-se com a marca que ele deixou em mim desde que conheço as músicas que compõe e escreve. A música que me mais me faz vibrar é, sem qualquer dúvida, a “Tudo o que eu te dou”, mas nenhuma outra me passa ao lado. Desde as mais antigas às mais recentes, todas, sem qualquer exceção ou critério, me dizem algo.

Já o vi duas vezes ao vivo e tive a sorte de estar pessoalmente com ele, mas prometi a mim mesma, desde a primeira vez, que iria a todos os concertos próximos da minha zona, não porque goste de ver coisas repetidas, não porque dê um valor enorme a ver um cantor ao vivo, mas porque o espetáculo dele não é apenas um concerto com meia dúzia de músicas. É mais que isso. É um momento de paz, em que todas as pessoas presentes se unem para partilhar, por algumas horas, o que sentem quando ouvem aquelas músicas. Sinto magia cada vez que o ouço ao vivo. 

Todas as músicas deste cantor me dizem algo, mas as que mais me têm marcado são aquelas que falam de perda e que são dedicadas ao seu falecido irmão. Pedro Abrunhosa sabe escrever a dor de uma forma tão bonita que nos faz sentir a dor dele e partilhá-la. As suas músicas são misteriosas e, ao mesmo tempo, transparentes, porque quem sentiu aquela dor, sabe reconhecê-la em cada música.

Para aqueles que dizem que não é um cantor, mas sim um intérprete, ou alguém que "diz umas coisas", não percebem quão enganados estão. Estão no direito de não gostar das músicas ou do estilo, mas nunca poderão afirmar que ele não é um cantor, porque acreditem que o é. Se as músicas dele fossem cantadas em vez de "quase faladas", não tinham metade do significado que têm.

Não sei por que razão decidi escrever este texto, mas senti uma vontade enorme, porque há pessoas que nos marcam sem sequer nos conhecerem, que acompanham a nossa vida, a nossa dor e nos fazem perceber, muitas vezes, que não somos os únicos a perder alguém, ou a amar alguém.

Ao Pedro, um muito obrigada, por ser a única pessoa capaz de descrever exatamente o que sinto, fazendo-me, simultaneamente, sentir muito melhor. Que continue a ser o (na minha opinião) melhor músico, intérprete e cantor português da atualidade.